Se você pensou recentemente nos trabalhadores essenciais, cadeias de suprimento de alimentos ou diversidade, vai entender por que os investimentos sustentáveis ganharam maior força durante a crise da COVID-19.

Investimento sustentável é um termo chave para abordagens de investimento que incorporam objetivos financeiros e também sociais e ambientais. Conforme a recuperação econômica da recessão induzida pela pandemia começa a aparecer, o interesse dos investidores aparece em estratégias que integram fatores ambientais, sociais e de governança (ESG). E há cada vez mais evidências que demonstram que empresas com fortes perfis ESG têm potencial para serem mais resilientes em tempos de incerteza e para entregar resultados robustos ajustados aos riscos.

Os investimentos sustentáveis estão alinhados com as megatendências globais de longo prazo também. Aqui, examinamos como identificar empresas de alta qualidade através das lentes do ESG pode oferecer oportunidades duradouras para o investidor de longo prazo.

A popularidade dos investimentos sustentáveis tem crescido nos últimos anos, mas o interesse e a consciência parecem ter se acelerado durante a pandemia — a COVID-19 destacou para os investidores que fatores ESG são relevantes, especialmente em tempos de crise.

  • Ações sustentáveis tiveram melhor desempenho que os tradicionais neste ano: Apesar de algumas pessoas terem visto o investimento sustentável como um luxo do mercado em alta, seu forte ânimo de antes da crise da pandemia não vacilou. Em vez disso, as empresas com perfis ESG mais fortes foram recompensadas: Do início do ano até agora, os índices de ações globais ESG, compostos por empresas com fortes perfis ESG, tiveram desempenho melhor que os índices do mercado tradicional. Veja gráfico abaixo.

Os índices de líderes ESG superaram o mercado mais amplo

Fonte: Morningstar, em 30 de junho de 2020.

Mercado global = MSCI ACWI Index, Líderes globais ESG = MSCI ACWI ESG Leaders Index, Mercados desenvolvidos = MSCI World Index, Líderes ESG mercados desenvolvidos = MSCI World ESG Leaders Index, Mercados emergentes = MSCI EM Index, Líderes ESG mercados emergentes = MSCI EM ESG Leaders Index, Mercados dos EUA = MSCI USA Index, Líderes ESG dos EUA = MSCI ESG Leaders Index. Favor consultar as DEFINIÇÕES DE ÍNDICES. O desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

O gráfico mostra resultados do início do ano até 20 de junho de 2020, de vários índices de ações, representando mercados globais, mercados desenvolvidos, mercados emergentes e o mercado americano. O gráfico mostra que os índices de Líderes ESG tiveram maior desempenho que os índices de mercado tradicionais mais amplos em todos os quatro mercados representados.
  • O sentimento é positivo: Mais da metade dos investidores globais institucionais entrevistados pelo J.P. Morgan Investment Bank em março de 2020 afirmam acreditar que a crise teve implicações positivas para a relevância do ESG nos próximos três anos.1
  • Os aportes estão fluindo em direção a fundos sustentáveis e ESG: Depois de dois anos de recordes (2018 e 2019) de entradas de capital, o dinheiro do investidor fluiu novamente em direção a fundos sustentáveis em 2020, enquanto que no primeiro trimestre, teve fluxo saindo dos fundos convencionais.2 Na verdade, desde maio não houve uma única semana de saídas de capital dos fundos globais sustentáveis negociados em bolsa (ETFs)— nem durante o profundo sell-off de março.3 Alguns analistas afirmam que a força nos aportes deve continuar.4

  • A COVID-19 aumentou o foco em “social” (S) e “governança” (G), no ESG.5 A doença afetou, de maneira desproporcional, as pessoas menos privilegiadas e membros de grupos minoritários, colocando em destaque as desigualdades sociais. As manchetes têm examinado minuciosamente o comportamento das empresas em relação a demissões, licenças médicas, condições de trabalho seguras e se as empresas tinham ou não relacionamentos justos com seus fornecedores e consumidores.

Então, após anos de o “E”, de environment (meio ambiente, em inglês), ser o mais lembrado, dadas as muitas preocupações com o planeta (que certamente se mantêm), esperamos uma atenção mais equilibrada entre E, S e G.

Inscreva-se para receber Perspectivas.

S: O bem-estar vem à tona: A crença dos investidores de que o ESG vai se tornar ainda mais relevante é especialmente verdadeira para o pilar social, que considera o capital humano como uma de suas principais preocupações. Acreditamos que os investidores terão uma maior consideração por empresas que estiverem prestando atenção ao bem-estar de seus funcionários, tanto antes quanto depois da crise. Uma análise mais profunda será feita sobre o tratamento das empresas em relação aos fornecedores, clientes e comunidades, e a resiliência de cadeias de suprimentos, onde provavelmente haverá uma tendência à realocação.

G: Boa governança pode ter ainda mais importância

A pandemia, e a agitação que esta causou no mercado, impôs riscos operacionais significativos às companhias. Isso levou muitos investidores a focar em questões de governança, na esperança de que empresas bem governadas serão mais resilientes em resposta aos desafios atuais e futuros. Em face à COVID-19, os investidores estão prestando atenção a como as empresas estão alocando capital. Por exemplo, a gestão está priorizando a remuneração dos executivos, mesmo com demissões por conta da pandemia? Como os dividendos e as recompras de títulos estão sendo tratados? Um maior foco na gestão e a demografia dos conselhos também é provável, pois a diversidade na liderança tende a trazer um conjunto mais holístico de opiniões para a tomada de decisões empresariais.

Ir bem em todos esses tipos de medidas pode indicar que uma empresa está mais bem posicionada para funcionar de maneira mais tranquila e, com o tempo, melhorar seu valor intangível ao tomar decisões estratégicas mais prudentes.6

E: O fator ambiental

A demanda por combustíveis fósseis se reduziu no último trimestre, enquanto, ao mesmo tempo, a demanda por combustíveis renováveis — utilizados amplamente para a geração de energia elétrica — se manteve. Isso pode sugerir que os investidores estão prontos para investir na transição energética dos combustíveis fósseis para os renováveis, uma tendência que apesenta muitas oportunidades para investimentos sustentáveis.7

A economia apoia este cenário: energias eólica e solar ultrapassaram o carvão como uma fonte para a geração de energia para a União Europeia em 2019, e desde o início do ano, no Reino Unido e nos Estados Unidos.8 Apesar de os renováveis não serem, historicamente, competitivos em relação às fontes tradicionais de energia no quesito custo, os custos de energia renovável caíram de 70% a 90% desde 2009.9

Um maior apoio para a transição energética deve vir do governo. O pacote de recuperação de gastos recentemente anunciado pela União Europeia vai apoiar a infraestrutura sustentável, a eletrificação dos transportes, o uso de recursos renováveis e coisas assim. Na Ásia, a Coreia anunciou um novo pacote de recuperação sustentável.

Vemos a sustentabilidade como uma área com potencial de crescimento de longo prazo para os portfólios, porque se alinha ao que consideramos tendências seculares de investimento — mudanças de longo prazo nas sociedades e economia. Algumas tendências duráveis que potencialmente oferecem oportunidades de investimento atraentes incluem energias limpas (a transição para os renováveis), produtos de consumo sustentáveis e veículos elétricos.

Olhando energias renováveis, por exemplo: ainda estão engatinhando, compondo menos de um quinto do mix global de energia. As expectativas dos analistas do setor são de crescimento significativo no mundo todo: uma parcela de 40% de geração de eletricidade até 2030 e mais de 60% até 2050.10

Produtos ao consumidor com apelo sustentável já experimentam uma forte demanda, mas são responsáveis por menos de 20% de todas as vendas nos EUA.11 Prevemos que as empresas vão continuar a inovar e se adaptar às mudanças de expectativas dos consumidores e investidores, para não ficarem para trás.

Finalmente, investimentos em veículos elétricos (VEs) e sua infraestrutura de apoio provavelmente serão recompensados, pois espera-se que sejam responsáveis por cerca de 58% das vendas de veículos e constituam cerca de um terço de todos os veículos de passageiros na rua até 2040.12 Investidores de olho no futuro podem encontrar oportunidades para capitalizar essas tendências.

Investimentos sustentáveis como uma estratégia inteligente de investimento a longo prazo

Integrar considerações de ESG na análise de portfólio pode destacar informações importantes das empresas que tenham um impacto financeiro real. Empresas com perfis superiores de ESG tendem a ser mais competitivas, mais rentáveis e têm maior controle de riscos, levando a fortes retornos.

Conforme olhamos para a vida após a COVID-19, vemos fatores ESG como cada vez mais relevantes à análise de investimentos, enquanto os investidores podem olhar para as tendências de sustentabilidade de longo prazo como uma área para maior crescimento. Converse com a equipe do J.P. Morgan sobre o que os investimentos sustentáveis podem significar para o seu portfólio e objetivos de longo prazo.

 

 

1  Stay safe and think long term—Investor Survey on the impact of COVID-19 on ESG investing,” J.P. Morgan Cazenove, março de 2020. O J.P. Morgan realizou uma pesquisa com 50 instituições globais, representando um total de US$ 12,9 trilhões em ativos geridos, sobre o impacto esperado da COVID-19 no futuro dos investimentos em ESG.

2  “Global Sustainable Fund Flows”, Morningstar (maio de 2020). No primeiro trimestre de 2020, os aportes em fundos ESG subiram US$ 45,6 bilhões, enquanto os fundos tradicionais tiveram US$ 384,7 bilhões em saídas de capital.

3 “Equity and FI U.S. and Europe-based ETF flows—6 de janeiro a 8 de maio de 2020,” Bloomberg, Maio de 2020.

4 Para mais informações sobre aportes em fundos ESG, que quadruplicaram de 2018 a 2019, consulte Jon Hale, “Sustainable Funds U.S. Landscape Report—Record flows and strong fund performance in 2019,” Morningstar Research, 14 de fevereiro de 2020.

5 Jean-Xavier Hecker et al., “COVID-19 likely to be a long-term catalyst for more balanced ESG investing,” ESG & Sustainability Research, J.P. Morgan Cazenove, 30 de março de 2020. 

6 Hale, 2020.

7 “Global Energy Review 2020,” International Energy Agency, April 2020, https://www.iea.org/reports/global-energy-review-2020.

8 According to the U.S. Energy Information Administration; “UK Electricity January to March 2020,” UK Government Publishing Service, junho de 2020, https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/894953/Electricity_June_2020.pdf; Agora Energiewende, 2019 and International Energy Agency (2020).

9 “Lazard’s Levelized Cost of Energy Analysis 12.0”, novembro de 2018. Representa o LCOE médio, medido em US$ por megawatt hora. LCOE: custo nivelado de energia, o valor líquido presente do custo unitário de energia elétrica do período de existência de um ativo gerado, uma aproximação para o preço médio que um ativo gerador deve receber para chegar ao ponto de equilíbrio durante sua vida útil.

10 “New Energy Outlook 2019”, BloombergNEF, setembro de 2019.

11 “Research on IRI Purchasing Data (2013–2018)”, NYU Stern Center for Sustainable Business, 11 de março de 2019. O valor total dos produtos vendidos como de sustentabilidade é estimado com base nas vendas de 36 categorias de produto.

12 “Electric Vehicle Outlook”, BloombergNEF, 2020.