Economia e Mercados

O mundo está se desglobalizando?

Desde o início da guerra comercial entre EUA e China em 2018, que cresceu com intensidade durante a COVID, investidores manifestaram sua preocupação a respeito da desglobalização. Este termo traz a ideia de que o mundo está se tornando menos interconectado através do comércio, com potencial para prejudicar os mercados financeiros, o crescimento do PIB e os lucros corporativos.

Mas vamos começar pelas notícias positivas: até o final de 2023, as economias mundiais não estavam se desglobalizando rapidamente. A integração econômica e seus benefícios para as margens de lucro corporativas permanecem intactos. E isso acontece apesar de dois sérios golpes: as tarifas que os Estados Unidos impuseram sobre muitas importações chinesas, e as sanções sem precedentes impostas à Rússia por invadir a Ucrânia que produziram um choque comercial ainda mais extremo.

Nossa análise dos dados comerciais apresenta cadeias de abastecimento flexíveis e resilientes, e o deslocamento da produção para outros lugares. As cadeias de abastecimento estão, de forma geral, se diversificando o que poderia ser chamado de uma maturação lenta que se afasta da concentração excessiva na China. Isso é algo positivo para o crescimento econômico em uma variedade de países, e é um bom presságio para a resiliência do sistema de comércio global contra futuros choques econômicos.

Agora, vamos às notícias não tão positivas: para várias importações essenciais — mais crucialmente, produtos farmacêuticos (ciências da vida e biotecnologia) e componentes avançados de armamentos — os Estados Unidos ainda dependem fortemente da China, levantando preocupações bipartidárias significativas como o risco à segurança nacional.

No final de novembro, o presidente Joe Biden recorreu à Lei de Produção para Defesa (Defense Production Act), usada na Segunda Guerra Mundial para converter fábricas para uso militar. A decisão foi tomada para estimular o reshoring de produções essenciais, parcialmente motivada por uma escassez de produtos farmacêuticos nos EUA, que envolveu o retorno para os Estados Unidos de operações corporativas que antes haviam sido movidas para outro país.

Aqui, examinamos os padrões emergentes no comércio internacional, os países que estão se beneficiando, as perspectivas para bens críticos e o que o impulso do reshoring pode significar para investidores à medida que se desenrola nos próximos anos.

Os dados: globalização e mudança nas cadeias de suprimentos

Desde que a China ficou no centro das tensões comerciais a partir de 2018, era de se esperar que sua participação no comércio global diminuiria diante de uma desglobalização do mundo. No entanto, sua participação nas exportações globais cresceu. Também aumentou a proporção do comércio global de bens para a produção industrial global1.

Desglobalização não aparente nos dados agregados do comércio
%; Proporção indexada em 2018 = 100
Fontes: Haver Analytics, Fundo Monetário Internacional e Netherlands Bureau for Economic Policy Analysis. Dados de 30 de novembro de 2023.

No entanto, divergências específicas de países estão acontecendo por baixo da superfície. A China afirmou sua dominância nas exportações a partir dos anos 2000, quando ganhou 10 pontos percentuais (ppt) na participação de importações dos EUA após ser admitida na Organização Mundial do Comércio. A seguir, a participação da China nas importações dos EUA diminuiu substancialmente durante a contínua guerra comercial entre EUA e China que teve início em 2018.

Uma vez que, como parte da guerra comercial, os EUA impuseram tarifas em cerca de 66% das importações provenientes da China, a localidade do comércio passou por uma mudança considerável. Enquanto a participação da China nas importações dos EUA diminuiu de 2016 a 2023, as quedas foram compensadas por ganhos obtidos por nações-membros da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), pela Índia e por países da América Latina. (As nações da Europa Central e Oriental, Oriente Médio e África [CEEMEA] não viram ganhos na participação comercial com os EUA nesse período).

A guerra comercial entre os EUA e a China deu origem a ganhadores e perdedores na participação nas importações
Fontes: Haver Analytics e Fundo Monetário Internacional. Dados de 24 de outubro de 2023. ASEAN: Associação de Nações do Sudeste Asiático. Nossa análise inclui os seguintes países da ASEAN: Indonésia, Malásia, Filipinas, Tailândia, Vietnã e Singapura (não fazem parte da nossa análise os membros da ASEAN Brunei, Camboja, Laos e Mianmar). CEEMEA: Europa Central e Oriental, Oriente Médio e África; nossa análise inclui Tchéquia, Polônia, Hungria, Rússia e Turquia. LATAM: América Latina; nossa análise inclui Brasil, México, Argentina, Colômbia, Chile e Peru.
Examinando de outra forma, podemos ver as mudanças no nível individual de cada país. Quais economias estão liderando na obtenção de ganhos no que se refere à participação nas exportações dos EUA, compensando a perda de participação da China? México e Vietnã se destacam como os dois principais beneficiários. Índia e Tailândia também tiveram ganhos notáveis. Outra grande mudança visível a nível de país aconteceu na Rússia: Sua perda de participação nas exportações foi uma consequência direta da guerra na Ucrânia e do nível sem precedentes de sanções implementadas após a invasão.
México, Vietnã, Índia e Tailândia foram os que mais ganharam participação nas importações dos EUA
Fontes: Haver Analytics e Fundo Monetário Internacional. Dados de 24 de outubro de 2023.

As importações dos EUA de produtos tarifados da China caíram cerca de US$ 70 bilhões. Conforme nossa análise mostra, o Vietnã registrou o maior aumento percentual nas exportações de produtos tarifados, com um aumento de 170%. No entanto, o México teve os maiores ganhos em termos de dólares, com mais de US$ 153 bilhões. Os principais desses produtos exportados incluem semicondutores e componentes eletrônicos relacionados, peças de automóveis e outros itens atingidos por tarifas de 25% impostas à China, como óleos obtidos a partir de minerais betuminosos.

O Apêndice inclui uma tabela com a listagem dos produtos tarifados na guerra comercial entre os EUA e a China, e como o valor das importações dos EUA desses produtos variou de 2016 a 2023 para os cinco países que tiveram a maior mudança na participação (China, México, Vietnã, Índia e Tailândia).

À medida que as importações dos EUA de produtos tarifados da China caíram, México e Vietnã foram os maiores ganhadores
Total de importações dos EUA em produtos tarifados (em bilhões de dólares)
Fontes: Peterson Institute for International Economics e Web de dados da Comissão de Comércio Internacional dos Estados Unidos (USITC). Dados de 30 de novembro de 2023. Produtos tarifados: produtos sujeitos a taxas de importação impostas pelos Estados Unidos à China em 2018.

Mesmo sem a guerra comercial, certo grau de migração do comércio para longe da China provavelmente teria ocorrido. A China tem subido na cadeia de valor, transferindo a produção de menor valor agregado para locais menos onerosos. Por exemplo, o valor agregado das exportações de máquinas e equipamentos da China aumentou consideravelmente no período que estamos discutindo, enquanto o valor agregado das exportações de vestuário caiu2. À medida que os custos trabalhistas no país aumentaram, só cresce a certeza de que não faz sentido manter uma produção menos complexa e que requer menos mão de obra na China.

Este fato se torna relevante ao considerar a dependência dos Estados Unidos de exportações sofisticadas da China hoje, incluindo produtos biotecnológicos e componentes avançados de armamentos. Quanto maior for a “trincheira” que a China estabelece em torno de exportações sofisticadas por meio de seus vários recursos, incentivos e da natureza de sua economia3, mais difícil será para os Estados Unidos reduzirem os riscos relacionados à China em áreas críticas relacionadas à segurança nacional.

Transbordo, valor agregado e substituição de importações

De forma mais geral, não podemos afirmar com precisão em que medida a guerra comercial, a mudança da produção de baixo custo para fora da China ou a guerra na Ucrânia contribuíram para os ganhos nas exportações de outros países para os Estados Unidos. No entanto, obtivemos conclusões ao segmentar os dados comerciais em um nível granular4.

Além disso, nossa análise sustenta a ideia de que o redirecionamento do comércio (o transbordo de mercadorias por meio de um terceiro país) tem sido mais acentuado para o Vietnã do que para o México. A produção doméstica com valor agregado provavelmente impulsionou os ganhos nas exportações do México de forma mais significativa5. Essa característica dos ganhos nas exportações do México para os EUA apoia a ideia de que está sendo construída uma maior resiliência na base de importações dos Estados Unidos, auxiliada pela proximidade do México e pela ligação com o sistema ferroviário dos EUA.

Do ponto de vista corporativo e, segundo uma extensa pesquisa do Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre o assunto, as empresas estão buscando cada vez mais fortalecer suas cadeias de abastecimento por meio de reshoring (ou “near”-shoring) da produção. As menções das palavras reshoring, onshoring e nearshoring em apresentações de resultados corporativos aumentaram “quase dez vezes” desde o início da guerra comercial entre os EUA e a China6.

É importante observar que legisladores mexicanos têm pressionado por uma produção com maior valor agregado. As “regras de origem” do Acordo Estados Unidos-México-Canadá (USMCA) de 2018 exigem insumos norte-americanos na produção, sobretudo, no setor automobilístico7.

No entanto, é improvável que a atividade de reshoring no México impulsione o emprego: a proporção do emprego na indústria de manufatura no México tem caído nos últimos anos8, provavelmente devido à automação industrial. De forma mais geral, este fato pode refletir uma mudança maior: à medida que a automação industrial ganha força mundialmente, o sistema de comércio global pode estar se movendo para um estado em que as empresas não buscam otimizar principalmente os custos de mão de obra mais baixos, mas outros fatores de custo, como custos de transporte9. O México se destaca nesse sentido, com custos de transporte substancialmente mais baixos para os Estados Unidos do que a China.

O México se destaca pelo baixo custo de transporte para os Estados Unidos
Custo de transporte das importações dos EUA por região como % do valor enviado (2023)
Fonte: Departamento do Censo dos Estados Unidos. Dados de 30 de novembro de 2023.

Uma acentuada queda nas exportações de semicondutores (e equipamentos) da China para os Estados Unidos também foi envolvida na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China: essas exportações diminuíram cerca de 54% desde 2016. As exportações de semicondutores da China não poderiam ser facilmente substituídas por outros fabricantes de chips, principalmente porque a China é especializada em chips “legados” (menos sofisticados) com margens de lucro baixas.

Essa falta de substituição provavelmente desempenhou um papel importante no choque inflacionário que atingiu a economia dos EUA em 202110— foi com a grave escassez de chips para automóveis e outros itens discricionários que o choque inflacionário de 2021 começou11.

Isso indica a vulnerabilidade do sistema de comércio global e por que uma alta dependência da China para importações essenciais — o tópico no qual focamos a seguir — pode representar não apenas um risco à segurança nacional, mas também um risco econômico. Isso também ilustra por que, a longo prazo, o reshoring das cadeias de abastecimento pode criar uma maior resiliência no sistema de comércio, oferecendo proteção contra choques futuros.

Para importações essenciais, as mudanças estão acontecendo

A dependência da China para vários produtos cruciais, incluindo ciências da vida, biotecnologia e componentes avançados de armas, é motivo de preocupação bipartidária como um risco sério à segurança nacional dos EUA.

Como as importações dos EUA mudaram para esses bens estratégicos, definidos como produtos de tecnologia avançada (ATP) pelo Departamento do Censo dos Estados Unidos?  Os produtos de tecnologia avançada compreendem 10 categorias amplas (atualizadas anualmente): biotecnologia, ciências da vida, optoeletrônica, informação e comunicações, eletrônicos, manufatura flexível, materiais avançados, aeroespacial, armas e tecnologia nuclear12. Surpreendentemente, os produtos de tecnologia avançada foram menos impactados pelas taxas aduaneiras dos EUA do que outras categorias de produtos.

 

As importações de tecnologia avançada provenientes da China foram menos impactadas pelas tarifas de importação
Importações de produtos de tecnologia avançada dos EUA por país
Fontes: Departamento do Censo dos Estados Unidos e Web de dados da USITC. Dados de 30 de novembro de 2023. ATP: Produtos de tecnologia avançada.

Uma fração dos produtos de tecnologia avançada foi fortemente tarifada na guerra comercial. Esses produtos eram, em sua maioria, eletrônicos, manufatura flexível, materiais avançados, tecnologia aeroespacial e nuclear. No entanto, não representavam a maioria dos produtos de tecnologia avançada importados da China pelos Estados Unidos: apenas cerca de 45% das importações de produtos de tecnologia avançada dos EUA vindas da China foram atingidas por tarifas na guerra comercial.

De fato, vários produtos de tecnologia avançada estratégicos, como biotecnologia, ciências da vida e armas, foram menos sujeitos a tarifas, e hoje a participação da China nessas exportações para os Estados Unidos não está diminuindo, mas aumentando. E entre os produtos de tecnologia avançada, é importante destacar que, naqueles que os Estados Unidos não impuseram tarifas (exportações de ATP não tarifadas), a China continua obtendo ganhos: essas exportações aumentaram cerca de US$ 20 bilhões desde 2016. (Veja o apêndice para as categorias de produtos de tecnologia avançada por trás desse aumento).

Excluindo produtos tarifados, as exportações de alta tecnologia da China para os Estados Unidos cresceram
Importações de ATP e não tarifadas dos EUA por país
Fontes: Peterson Institute for International Economics, Departamento do Censo dos Estados Unidos e Web de dados da USITC. Dados de 30 de novembro de 2023. ATP: Produtos de tecnologia avançada. Produtos não tarifados: Importações não sujeitas a tarifas dos Estados Unidos impostas à China.

As importações dos EUA de medicamentos essenciais para a vida fabricados na China aumentaram substancialmente nos últimos anos. Para muitos legisladores dos EUA, este fato representa um risco à segurança nacional. No entanto, o país teve pouca escolha a não ser depender cada vez mais da China para produtos farmacêuticos, considerando as graves carências de capacidade de produção interna13.

A Administração de Biden está ciente desse ponto crítico e, em novembro de 2023, recorreu à Lei de Produção de Defesa para permitir investimentos mais rápidos na fabricação nacional de medicamentos essenciais, contramedidas médicas e insumos críticos que o Presidente considerou essenciais para a defesa nacional dos EUA14.

Ao contrário do padrão dos países, com exceção da China, que estão ganhando participação nas exportações de produtos sujeitos a tarifas, nas exportações de produtos de tecnologia avançada não tarifados para os Estados Unidos, o aumento foi menos impressionante.

Será importante continuar observando a evolução das exportações de produtos de tecnologia avançada não tarifados, pois ganhos nesta categoria nos próximos trimestres e anos podem indicar variações na cadeia de suprimentos de manufatura em antecipação a um aumento das tensões comerciais entre EUA e China15. Monitoraremos essas decisões dos líderes empresariais multinacionais, que permanecem altamente incertos sobre as intenções dos formuladores de políticas em relação às exportações estrategicamente importantes de produtos de tecnologia avançada não tarifados.

Como mencionado, as tarifas desempenharam um papel importante ao criar um afastamento entre a localidade do comércio e a China. No entanto, quando se trata desses produtos tecnológicos estrategicamente importantes da China não tarifados, as exportações da China para os Estados Unidos permanecem robustas. Relativamente ao PIB da China, tais exportações de produtos de tecnologia avançada não tarifados para os Estados Unidos não são apenas estáveis, mas agora superam o nível de 2018, mesmo com as importações totais da China pelos EUA tendo despencado16.

As exportações de tecnologias avançadas da China para os Estados Unidos continuam robustas
Exportações da China para os EUA como parcela do PIB da China, indexadas em 2018 = 100
Fontes: Peterson Institute for International Economics, Departamento do Censo dos Estados Unidos e Web de dados da USITC. Dados de 30 de novembro de 2023. ATP: Produtos de tecnologia avançada. Exportações tarifadas: Produtos sujeitos a tarifas dos EUA aplicadas à China.

Qual rumo o comércio estratégico pode seguir daqui para frente?

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China surtiu um grande efeito ao reduzir as exportações da China para os Estados Unidos. No entanto, quanto mais aprofundamos os detalhes da queda no comércio, mais vemos uma imagem complexa e, nela, os Estados Unidos ainda dependem muito da China em certas categorias estrategicamente importantes do comércio.

Esperamos que os legisladores dos EUA busquem reduzir ainda mais os riscos ao se desvincularem da China no comércio desses setores críticos. A forma exata dessa iniciativa de redução de riscos dependerá, em grande medida, do resultado das eleições presidenciais dos EUA de 2024.

O Partido Democrata provavelmente continuará a pressionar por políticas destinadas a reduzir os custos de produção nos Estados Unidos e em seus parceiros comerciais próximos (como o México), ao mesmo tempo em que direciona recursos fiscais para aumentar a demanda por reshoring em setores específicos (os exemplos até o momento incluem a Lei CHIPS de 2022 e a Lei de Redução da Inflação de 202317). O Partido Republicano parece estar principalmente focado em aumentar os custos de produtos produzidos no exterior (por exemplo, através de tarifas18).

Como o comércio está evoluindo em outras regiões?

Dois estudos de caso finais servem para contrastar o estado da globalização hoje: a Rússia é um notável exemplo de flexibilidade comercial, ilustrando como cadeias de abastecimento resilientes podem preservar as importações de uma nação, mesmo diante de sanções globais jamais vistas. Por outro lado, a ausência de aumento na participação das exportações dos Estados Unidos na América do Sul mostra como fatores-chave (incluindo infraestrutura e desenvolvimento humano) podem dificultar os negócios, apesar do potencial oferecido por um sistema global de comércio flexível.

Rússia: um exemplo notável de flexibilidade no comércio

O comércio com a Rússia desde o início da guerra na Ucrânia traz um exemplo recente e surpreendente de flexibilidade no comércio. As cadeias de abastecimento de manufatura globais demonstraram tanta resiliência nos últimos 18 meses que, basicamente, salvaram a economia da Rússia. A flexibilidade no comércio é a principal razão pela qual o FMI revisou significativamente sua previsão para o PIB russo desde abril de 2022. Naquela época, o FMI previa uma queda de 10,6% até 2023 (em relação ao nível de 2021). Agora, o FMI prevê que a economia russa seja 0,13% maior.

A economia da Rússia está se saindo muito melhor do que o esperado
Fontes: Haver Analytics e Fundo Monetário Internacional. Dados de 31 de outubro de 2023. Estimativas futuras baseadas nas projeções do FMI.
Para determinar as mudanças que ajudaram a manter a sustentação da economia da Rússia, realizamos a mesma análise que fizemos para examinar o reshoring em relação à China, analisando as exportações para a Rússia de 2021 a 2023. À medida que a parcela das exportações dos Estados Unidos e da Europa para a Rússia despencou, foi compensada por grandes ganhos na parcela das exportações da China e, em menor medida, da Índia, bem como de países da Ásia Ocidental e Central, incluindo Turquia, Armênia, Cazaquistão, Quirguistão e Azerbaijão.
O comércio da Rússia migrou do Ocidente para uma forte dependência da China
Fontes: Fundo Monetário Internacional e Haver Analytics. Dados de 30 de setembro de 2023.

América do Sul: muito potencial para pouco ganho

Esperávamos que a diversificação do comércio produzisse fortes ganhos na participação das exportações dos Estados Unidos para países da América do Sul. Esses países têm uma proximidade favorável e laços geopolíticos historicamente próximos com os Estados Unidos. No entanto, a mudança nas exportações tem sido quase inexistente para o Brasil, Colômbia, Argentina, Chile e Peru.

Várias razões podem explicar o desempenho aquém na região.

Baixa complexidade na fabricação: do total das importações dos EUA de produtos de tecnologia avançada em 2023, a porcentagem de origem na América do Sul se aproxima de zero (0,31%). As principais exportações das maiores economias são commodities primárias: minério de ferro no Brasil, minério de cobre no Peru e Chile, e petróleo bruto (e café) na Colômbia.

Três principais exportações dos principais países da América Latina (%)
As economias da América Latina exportam principalmente commodities
Fontes: Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Dados de 31 de dezembro de 2021. Os dados são os mais recentes disponíveis.

Baixa qualidade e infraestrutura comercial limitada: as exportações dos países sul-americanos seriam 30% maiores em um mundo hipotético onde as lacunas de sua infraestrutura em relação às economias avançadas fossem reduzidas pela metade19. Os custos de transporte para os Estados Unidos são altos (ao contrário do México, o continente não possui uma ligação direta com o sistema ferroviário dos EUA). O ambicioso projeto da Ferrovia Bioceânica planejado para conectar a costa do Pacífico do Peru com a costa atlântica do Brasil reduziria os custos de transporte, principalmente para a Europa e a Ásia, mas enfrentou repetidos contratempos (incluindo questões ambientais: a ferrovia atravessaria a Floresta Amazônica20).

Desenvolvimento de capital humano relativamente baixo (o estoque de conhecimento, habilidades, educação, saúde e outros atributos que contribuem para a capacidade dos trabalhadores de produzir valor econômico): somado à proficiência em inglês relativamente baixa21, o atraso no desenvolvimento de capital humano na região está limitando o comércio de mercadorias e provavelmente prejudicando as exportações de serviços, mesmo que seu fuso horário seja adequado para vender serviços de trabalho remoto para empresas norte-americanas22.

A globalização está intacta

A globalização permanece intacta, apesar de vários grandes choques nos últimos anos. Sua preservação é um testemunho da flexibilidade das cadeias de abastecimento de manufatura mundialmente. As corporações multinacionais demonstraram que podem se adaptar rapidamente a novas políticas e contornar os riscos geopolíticos elevados. Essa flexibilidade ajudou as margens de lucro corporativas a manterem os ganhos históricos obtidos nas últimas décadas devido à globalização.

No entanto, em várias áreas de importância estratégica crucial, os Estados Unidos ainda dependem fortemente das importações da China. Esperamos que os líderes continuem promovendo políticas destinadas a reduzir os riscos em relação à China nessas áreas de comércio que são críticas para a segurança nacional. Esse crescente desafio apresenta uma oportunidade para diversos países no complexo de mercados emergentes. Em grande parte, a infraestrutura comercial, a competitividade e o desenvolvimento do capital humano ditarão quais países se beneficiarão dessas tendências.

Além disso, nosso trabalho apoia uma visão positiva sobre o setor industrial nos mercados de ações globalmente. Michael Cembalest, presidente de Estratégia de Mercado e Investimento da J.P. Morgan Asset & Wealth Management, escreveu recentemente de forma favorável sobre o setor industrial em sua Perspectiva para 2024, citando impulsionadores de crescimento seculares duradouros e avaliações econômicas (especialmente em relação às ações de tecnologia).


Apêndice  

Comércio de itens tarifados
Fontes: Peterson Institute for International Economics e Web de dados da USITC; dados de 30 de novembro de 2023. Produtos tarifados: produtos sujeitos a tarifas impostas à China em 2018.
Comércio de produtos de tecnologia avançada
Fontes: Departamento do Censo dos Estados Unidos e Web de dados da USITC. Dados de 30 de novembro de 2023. ATP: Produtos de tecnologia avançada.
Comércio de produtos de tecnologia avançada tarifa
Fontes: Peterson Institute for International Economics e Departamento do Censo dos Estados Unidos, Web de dados da USITC Dados de 30 de novembro de 2023. ATP: produtos de tecnologia avançada. Produtos tarifados: produtos sujeitos a tarifas impostas pelos Estados Unidos à China em 2018. Produtos não tarifados se referem a produtos que não estão sujeitos a tarifas aplicadas à China.
Comércio de produtos de tecnologia avançada não tarifados
Fontes: Peterson Institute for International Economics, U.S. Census Bureau e dados da U.S. International Trade Commission (USITC). Informações de 30 de novembro de 2023. PTA: Produtos de Tecnologia Avançada. Produtos não tarifados: aqueles não sujeitos às tarifas impostas pelos Estados Unidos à China.
1Embora fora do escopo deste artigo, também observamos que o aumento do trabalho remoto no mundo todo impulsionou o comércio global de serviços, uma tendência que provavelmente continuará se desdobrando. Tobias Sytsma, “The Globalization of Remote Work: Will Digital Offshoring Make Waves in the U.S. Labor Market?” RAND Corporation, 2022.
2De acordo com o banco de dados de Comércio em Valor Agregado (TIVA) da OCDE, a parcela de valor agregado nas exportações de vestuário da China caiu de 17,2% em 2000 para 9,4% em 2020, enquanto a parcela de valor agregado nas exportações de máquinas da China mais do que dobrou nesse período, passando de 2,5% para 5,5%. “TIVA principal indicators”, oecd.org, 2023.
3Essa “trincheira” pode incluir depósitos minerais, qualidade da educação e integração do setor manufatureiro, entre muitos outros fatores que contribuíram para a ascensão histórica da China na dominação manufatureira. Mais informação sobre a dominação recente na produção de tecnologias: Alan Weissberger, “ASPI’s Critical Technology Tracker finds China ahead in 37 of 44 technologies evaluated”, Technology Blog, IEEE Communications Society, Institute of Electrical and Electronics Engineers, 3 de março de 2023.
4Nós utilizamos construções inovadoras dos dados, através do sistema de codificação da pauta aduaneira Harmonized Tariff Schedule (HTS), para examinar os componentes das importações de bens dos EUA. Consideramos as categorias comerciais do HTS no nível mais granular, com códigos HTS de 10 dígitos.
5Vale ressaltar que a falta de dados atualizados impede uma resposta definitiva para essa questão no momento. No entanto, ao examinar a tendência nas exportações tarifadas (em relação ao PIB) antes e depois de 2018 (início da guerra comercial), observamos um aumento acentuado nas mercadorias tarifadas exportadas do Vietnã para os Estados Unidos, o que não observamos no caso do México. Este fato apoia a ideia de que o redirecionamento do comércio tem sido mais pronunciado no Vietnã, refletindo mercadorias exportadas da China para o Vietnã e, em seguida, reexportadas para os Estados Unidos para evitar taxas aduaneiras.
6Kristalina Georgieva, “Confronting Fragmentation Where It Matters Most: Trade, Debt, and Climate Action”, IMF Blog, 16 de janeiro de 2023.
7O USMCA aumentou o requisito de conteúdo regional para 75%, em comparação com os 62,5% do NAFTA, e exigiu que pelo menos 70% das compras de aço e alumínio dos produtores tivessem origem na América do Norte. No entanto, fabricantes chineses também estão construindo infraestrutura de exportação no México para se aproximar do mercado consumidor dos EUA e, de acordo com a revista The Economist, para contornar a taxação aduaneira. “Why Chinese companies are flocking to Mexico: The country offers a back door to the United States”, The Economist, 23 de novembro de 2023.
8De 8,9% em 2019 para 8,25% em 2023, de acordo com o Instituto Nacional de Estadística y Geografía.
9Também observamos que os custos de mão de obra não são comprovadamente mais baixos no México do que na China. O Índice Big Mac (ajustado), produzido pela The Economist e comumente usado como um indicador para comparar custos de mão de obra, mostra que o México é 17,1% menos oneroso do que os Estados Unidos, enquanto a China é 15,6% menos onerosa.
10Chad P. Bown, “Four years into the trade war, are the U.S. and China decoupling?” Realtime Economics blog, Peterson Institute for International Economics, 20 de outubro de 2022.
11Na nossa visão, abril de 2021 marcou o início do choque da inflação. Durante esse mês, a inflação de automóveis nos dados do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) disparou a uma taxa anualizada de mais de 60%.
12Códigos de referência do comércio internacional do Departamento do Censo dos Estados Unidos.
13Eduardo Jaramillo, “La escasez de medicamentos en Estados Unidos resalta la dependencia de las cadenas de suministro grises de China”, The China Project, 7 de junio de 2023.
14“Fact Sheet President Biden Announces New Actions to Strengthen America’s Supply Chains, Lower Costs for Families, and Secure Key Sectors”, White House, 27 de novembro de 2023.
15Justin R. Pierce e David Yu, “Assessing the Extent of Trade Fragmentation”, FEDS Notes, Board of Governors of the Federal Reserve System, 3 de novembro de 2023.
16Também observamos uma discrepância entre os dados de importação dos EUA provenientes da China e os dados de exportação da China para os EUA. Essa discrepância surgiu durante a pandemia e persiste desde então. Atualmente, os Estados Unidos estão relatando um número muito menor de importações provenientes da China do que o volume que a China declara como exportações para os Estados Unidos. Não é claro o que deduzir dessa discrepância, mas o fato pode indicar que a queda nas importações totais da China para os Estados Unidos está sendo superestimada.
17Para conferir nossa análise dessas leis e de suas prováveis implicações e impactos nos investimentos, consulte Joe Seydl, Jessica Matthews e Ian Schaeffer, “The opportunity in renewed U.S. industrial policy”, J.P. Morgan Private Bank, 1.º de junho de 2023.
18Gostaríamos de observar que a Lei CHIPS de 2022 foi uma legislação bipartidária, portanto, essa declaração não deve ser interpretada de forma simplista. Fizemos a observação porque se encaixa no padrão do ciclo eleitoral, e porque o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que planeja impor uma tarifa de 10% a todas as importações dos EUA se for reeleito em 2024.
19A infraestrutura comercial refere-se tanto à infraestrutura física quanto à infraestrutura aduaneira. “Trade Integration and Implications of Global Fragmentation for Latin America and the Caribbean”, Regional Economic Outlook Latin America and the Caribbean, Fundo Monetário Internacional, outubro de 2023.
20“Controversial Amazon route of Transcontinental Railway Brazil-Peru”, Global Atlas of Environmental Justice”, ejatlas.org, 11 de junho de 2023.
21Especialmente em relação ao PIB per capita (um indicador do baixo custo da mão de obra do ponto de vista das corporações que buscam terceirizar o trabalho remoto), os países da América do Sul se destacam por terem baixas pontuações de proficiência em inglês (em comparação, por exemplo, com a Índia e as Filipinas). English Proficiency Index, Education First, 2023.
22A maior parte do aumento das exportações de trabalho remoto para a América do Norte (e Europa) tem sido abarcada por trabalhadores da Europa Oriental, Sul da Ásia e Filipinas. Fabian Braesemann, Fabian Stephany, Ole Teutloff, et al., “The global polarization of remote work”, PLoS One, 20 de outubro de 2022.
Apesar das previsões alarmantes, a integração econômica global não está se desfazendo. Contudo, para alguns bens importados essenciais para a segurança nacional, mudanças estão a caminho.

EXPERIENCE THE FULL POSSIBILITY OF YOUR WEALTH

Contact us
Informação importante

PRINCIPAIS RISCOS

Este material é meramente informativo e pode informá-lo(a) sobre alguns produtos e serviços oferecidos por empresas de banco privado do JPMorgan Chase & Co. (“JPM”). Os produtos e serviços descritos, bem como taxas, encargos e taxas de juros associados estão sujeitos a mudança de acordo com os contratos da conta em questão e podem variar conforme a localização geográfica. Nem todos os produtos e serviços são oferecidos em todas as localidades.

Caso você seja uma pessoa com deficiência e precise de suporte adicional para acessar este material, por favor, entre em contato com a sua equipe do J.P. Morgan ou nos envie um e-mail no endereço: accessibility.support@jpmorgan.com para assistência. Leia todas as Informações Importantes.

RISCOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS

Qualquer visão, estratégia ou produto discutido neste material pode não ser adequada a todas as pessoas e estão sujeitos a riscos. Os investidores podem receber menos do que investiram e o desempenho no passado não é um indicativo confiável de resultados futuros. A alocação de ativos não garante lucro ou protege contra perdas. Nenhum item deste material deve ser utilizado de forma isolada com o objetivo de tomar uma decisão de investimento. Você deve avaliar cuidadosamente se os serviços, produtos, classes de ativos (ex.: títulos, renda fixa, investimentos alternativos, commodities, etc.) ou estratégias discutidas estão adequados às suas necessidades. Também é necessário considerar os objetivos, riscos, encargos e despesas associados com um serviço, produto ou estratégia de investimento antes de tomar uma decisão de investimento. Para isso e para informações mais completas, inclusive discussões sobre os seus objetivos/situação, entre em contato com a sua equipe do J.P. Morgan.

NÃO-COMPROMETIMENTO

Algumas informações contidas neste material são consideradas confiáveis; entretanto, o JPM não garante a sua exatidão, confiabilidade ou completude, nem se responsabiliza por perdas ou danos (diretos ou indiretos) resultantes do uso de todo ou de parte deste material. Não há declaração ou garantia alguma referente aos cálculos, gráficos, tabelas, diagramas ou comentários neste material, que são fornecidos apenas para fins ilustrativos/de referência. As visões, opiniões, estimativas e estratégias expressas neste material constituem nossa avaliação com base nas atuais condições de mercado e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio. O JPM não assume qualquer obrigação de atualizar as informações neste material caso essas venham a mudar. Visões, opiniões, estimativas e estratégias expressas no presente documento podem diferir daquelas expressas por outras áreas do JPM, visões expressas em outros contextos e para outros fins, e este material não deve ser considerado um relatório de pesquisa. Os resultados e riscos projetados estão embasados exclusivamente nos exemplos hipotéticos citados, e resultados e riscos reais poderão variar dependendo das condições específicas. Declarações prospectivas não devem ser consideradas garantias ou previsões de eventos futuros.

Este documento não deve ser interpretado como resultando em algum dever de diligência ou relacionamento de consultoria com você ou algum terceiro. Nada neste documento deve ser entendido como uma oferta, solicitação, recomendação ou assessoria (seja financeira, contábil, jurídica, fiscal ou outros) dada pelo J.P. Morgan e/ou seus diretores ou empregados, independentemente de esta comunicação ter sido fornecida por solicitação sua. O J.P. Morgan e suas coligadas e empregados não oferecem assessoria fiscal, jurídica ou contábil. Você deve consultar os seus próprios assessores fiscais, jurídicos ou contábeis antes de efetuar alguma transação financeira.

INFORMAÇÃO IMPORTANTE SOBRE SEUS INVESTIMENTOS E POTENCIAIS CONFLITOS DE INTERESSE

Os conflitos de interesse surgem quando a JPMorgan Chase Bank, N.A. ou alguma de suas coligadas (juntos, “J.P. Morgan”) têm um incentivo econômico ou de outra espécie, real ou percebido, na gestão dos portfólios de nossos clientes para agir de forma a beneficiar a J.P. Morgan. Os conflitos resultarão, por exemplo (desde que as seguintes atividades sejam permitidas na sua conta): (1) quando o J.P. Morgan investe em um produto de investimento, como um fundo mútuo, produto estruturado, conta gerida separadamente ou fundo hedge emitido ou gerido por JPMorgan Chase Bank, N.A. ou uma coligada, tal como a J.P. Morgan Investment Management Inc.; (2) quanto uma entidade do J.P. Morgan obtém serviços, incluindo a execução e compensação de transações, de uma coligada;(3) quando o J.P. Morgan recebe pagamento como resultado da compra de um produto de investimento para a conta de um cliente; ou (4) ou quando o J.P. Morgan recebe pagamento pela prestação de serviços (incluindo serviços a acionistas, registros e custódia) em relação a produtos de investimentos adquiridos para o portfólio de um cliente. Outros conflitos resultarão do relacionamento que o J.P. Morgan tem com outros clientes ou quando o J.P. Morgan age em nome próprio.

As estratégias de investimentos são selecionadas tanto de gestores de ativos do J.P. Morgan e de terceiros, e estão sujeitas a processos de avaliação pelas nossas equipes de pesquisa gerenciais. Dessa gama de estratégias, nossas equipes de construção de portfólio selecionam aquelas estratégias que acreditamos serem adequadas aos seus objetivos de alocação de ativos e visões de futuro, de forma a atender o objetivo de investimento do portfólio.

De maneira geral, preferimos as estratégias geridas pelo J.P. Morgan. Esperamos que a proporção das estratégias geridas pelo J.P. Morgan seja alta (na verdade, até 100 por cento) em estratégias como, por exemplo, renda fixa de alta qualidade e à vista, sujeita à legislação aplicável e quaisquer considerações específicas de conta.

Apesar de nossas estratégias geridas internamente geralmente se alinharem bem com nossas visões de futuro, e estarmos familiarizados com os processos de investimento, assim como com a filosofia de risco e compliance da empresa, é importante notar que o J.P. Morgan recebe mais comissões gerais quando estratégias geridas internamente são incluídas. Oferecemos a opção de escolher excluir estratégias geridas pelo J.P. Morgan (que não os produtos de liquidez e à vista) em alguns portfólios.

Os Fundos Six Circles são fundos mútuos registrados nos EUA, gerenciados pelo J.P. Morgan e sub-assessorados por terceiros. Apesar de consideradas estratégias gerenciadas internamente, JPMC não retém uma taxa por gestão de fundos ou outros serviços de fundos.

PESSOA JURÍDICA, MARCA E INFORMAÇÕES REGULATÓRIAS

Nos Estados Unidos, contas de depósito bancário e serviços relacionados, tais como contas correntes, investimentos e empréstimos bancários, são oferecidos por JPMorgan Chase Bank, N.A. Associada à FDIC.

O JPMorgan Chase Bank, N.A. e suas coligadas (coletivamente “JPMCB”) oferecem produtos de investimento, que podem incluir contas de investimento geridas pelo banco e de custódia, como parte de seus produtos de trust e fiduciários. Outros produtos e serviços de investimento, tais como contas de consultoria e corretagem, são oferecidos através do J.P. Morgan Securities LLC (“JPMS”), associado da FINRA e SIPC. Produtos de seguros estão disponíveis por meio da Chase Insurance Agency, Inc. (CIA), uma agência de seguros licenciada, operando como Chase Insurance Agency Services, Inc., na Flórida. JPMCB e JPMS são empresas coligadas sob o controle comum de JPMorgan Chase & Co. Os produtos não estão disponíveis em todos os estados.

Na Alemanha, este material é emitido por J.P. Morgan SE, com sede em Taunustor 1 (TaunusTurm), 60310 Frankfurt am Main, Alemanha, autorizado pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionado conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Central Europeu (BCE). No Luxemburgo, este material é emitido por J.P. Morgan SE – Sucursal de Luxemburgo, com sede no European Bank and Business Centre, 6 route de Treves, L-2633, Senningerberg, Luxemburgo, autorizado pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionado conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão ( Deutsche Bundesbank) e o Banco Central Europeu (BCE);  J.P. Morgan SE – Sucursal de Luxemburgo também é supervisionada pela Commission de Surveillance du Secteur Financier (CSSF); registrado sob RCS Luxemburgo B255938. No Reino Unido, este material é emitido por J.P. Morgan SE – Sucursal de Londres, com sede em 25 Bank Street, Canary Wharf, London E14 5JP, autorizada pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionada conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Central Europeu ( BCE); J.P. Morgan SE – Sucursal de Londres também é supervisionada pela Financial Conduct Authority e pela Prudential Regulation Authority. Na Espanha, este material é distribuído por J.P. Morgan SE, Sucursal en España, com sede em Paseo de la Castellana, 31, 28046 Madrid, Espanha, autorizado pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionado conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Banco Central (BCE); J.P. Morgan SE, Sucursal en España também é supervisionado pela Comissão do Mercado de Valores da Espanha (CNMV); registrado no Banco da Espanha como sucursal do J.P. Morgan SE sob o código 1567. Na Itália, este material é distribuído pela J.P. Morgan SE – Sucursal de Milão, com sede na Via Cordusio, n.3, Milão 20123, Itália, autorizada pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionada conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Banco Central (BCE); J.P. Morgan SE – Sucursal de Milão também é supervisionada pelo Banco da Itália e pela Commissione Nazionale per le Società e la Borsa (CONSOB); registrado no Banco da Itália como uma sucursal do J.P. Morgan SE sob o código 8076; Número registrado da Câmara de Comércio de Milão: REA MI 2536325. Na Holanda, este material é distribuído por J.P. Morgan SE – Sucursal de Amsterdã, com sede no World Trade Center, Tower B, Strawinskylaan 1135, 1077 XX, Amsterdam, Holanda, autorizado pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionado conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Central Europeu (BCE); J.P. Morgan SE – Sucursal de Amsterdã também é supervisionada pelo De Nederlandsche Bank (DNB) e pela Autoriteit Financiële Markten (AFM) na Holanda. Registrada no Kamer van Koophandel como uma filial da J.P. Morgan SE sob o número de registro 72610220. Na Dinamarca, este material é distribuído por J.P. Morgan SE – Sucursal de Copenhagen, filial af J.P. Morgan SE, Tyskland, com sede em Kalvebod Brygge 39-41, 1560 København V, Dinamarca, autorizado pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionado conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Central Europeu (BCE); J.P. Morgan SE – Sucursal de Copenhagen, filial af J.P. Morgan SE, Tyskland também é supervisionada pela Finanstilsynet (FSA dinamarquesa) e está registrada na Finanstilsynet como uma filial do J.P. Morgan SE sob o código 29010. Na Suécia, este material é distribuído por J.P. Morgan SE – Stockholm Bankfilial, com sede em Hamngatan 15, Estocolmo, 11147, Suécia, autorizado pelo Bundesanstalt für Finanzdienstleistungsaufsicht (BaFin) e supervisionado conjuntamente pelo BaFin, o Banco Central Alemão (Deutsche Bundesbank) e o Banco Central Europeu (BCE) ); J.P. Morgan SE – Stockholm Bankfilial também é supervisionado pela Finansinspektionen (FSA sueca); registrado com Finansinspektionen como uma sucursal do J.P. Morgan SE. Na França, este material é distribuído pelo JPMorgan Chase Bank, N.A. Sucursal de Paris, com sede em 14,Place Vendome, Paris 75001, França, registada na Conservatória do Tribunal de Comércio de Paris sob o número 712 041 334 e licenciada pela Autorité de contrôle prudentiel et de resolution (ACPR) e supervisionada pela ACPR e a Autorité des Marchés Financiers.  Na Suíça, este material é distribuído por J.P. Morgan (Suisse) SA, com sede na rue du Rhône, 35, 1204, Genebra, Suíça, autorizada e supervisionada pela Autoridade Supervisora do Mercado Financeiro da Suíça (FINMA), como banco e corretor de valores mobiliários na Suíça.

Esta comunicação é um anúncio publicitário para os fins da Diretiva de Mercados de Instrumentos Financeiros (MIFID II) e da Lei de Serviços Financeiros da Suíça (FINSA) e. Os investidores não devem subscrever ou comprar quaisquer instrumentos financeiros referidos neste anúncio, exceto com base nas informações contidas em qualquer documentação legal aplicável, que está ou deverá ser disponibilizada nas jurisdições relevantes.

Em Hong Kong, este material é distribuído por JPMCB, filial Hong Kong. JPMCB, filial Hong Kong, é regulada pela Hong Kong Monetary Authority e pela Securities and Futures Commission of Hong Kong. Em Hong Kong, deixaremos de usar os seus dados pessoais para fins de marketing, sem custo, mediante a sua solicitação. Em Singapura, este material é distribuído por JPMCB, filial Singapura. O JPMCB, filial Singapura é regulado pela Monetary Authority of Singapore. Os serviços de corretagem e consultoria e serviços de gestão discricionária de investimentos são prestados por JPMCB, filial Hong Kong/Singapura (conforme informado a você). Os serviços bancários e de custódia são prestados a você por JPMCB, filial Singapura. O conteúdo deste documento não foi analisado por nenhuma autoridade regulatória em Hong Kong, Singapura ou quaisquer outras jurisdições. Sugere-se ter cautela em relação a este documento. Caso tenha alguma dúvida com relação ao conteúdo deste documento, você deve obter assessoria profissional independente. Para os materiais que constituem anúncios de produtos conforme as leis Securities and Futures Act e Financial Advisers Act, este anúncio não foi revisado pela Monetary Authority of Singapore. JPMorgan Chase Bank, N.A., uma associação bancária nacional, constituída mediante as leis dos Estados Unidos, sendo uma pessoa jurídica, a responsabilidade cível dos acionistas é limitada.

Em relação aos países da América Latina, a distribuição deste material pode estar restrita a algumas jurisdições. Podemos oferecer e/ou vender valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros que podem não estar registrados em, e que não estejam sujeitos a uma oferta pública mediante as leis ou outros instrumentos de regulamentação de valores mobiliários ou outras normas financeiras em seu país. Esses valores mobiliários ou instrumentos são oferecidos e/ou vendidos apenas de forma privada. Qualquer comunicação de nossa parte em relação a esses valores mobiliários ou instrumentos, incluindo, sem limitação, a entrega de prospectos, cartas de intenções ou outros documentos de ofertas, não constituindo de nossa parte uma oferta de venda ou solicitação de uma oferta de compra de quaisquer valores mobiliários ou instrumentos em qualquer jurisdição na qual essa oferta ou solicitação seja ilegal. Além disso, esses valores mobiliários ou instrumentos podem estar sujeitos a determinadas restrições regulamentares ou contratuais na transferência subsequente por você e você é o único responsável por verificar e cumprir essas restrições. Caso este conteúdo faça referência a um fundo, o fundo pode não ser oferecido publicamente em países da América Latina sem registro prévio dos títulos desse fundo em conformidade com as leis da jurisdição correspondente. É estritamente vedada a oferta pública de títulos, incluindo as ações do Fundo, sem registro prévio perante a CVM- Comissão de Valores Mobiliários do Brasil. Alguns produtos e serviços contidos nos materiais podem não ser oferecidos atualmente pelas plataformas brasileira e mexicana.

Na Austrália, J.P. Morgan Chase Bank, N.A. (JPMCBNA)(ABN 43 074 112 011/AFS Licença No: 238367) é regulado pela Australian Securities and Investment Commission e a Australian Prudential Regulation Authority. O material fornecido pelo JPMCBNA na Austrália é destinado apenas a "clientes institucionais". Para os fins deste parágrafo, o termo "cliente institucional" tem o significado dado na seção 761G da Corporations Act 2001 (Cth). Por favor, informe-nos caso não seja um "cliente institucional" atualmente ou caso deixe de sê-lo em algum momento no futuro.

JPMS é uma marca empresa estrangeira registrada (no exterior) (ARBN 109293610) constituída no estado de Delaware, EUA. Conforme as exigências de licenciamento de serviços financeiros da Austrália, para se prestar serviços financeiros na Austrália é necessário ter um provedor de serviços financeiros, como J.P. Morgan Securities LLC (JPMS) para se obter a devida licença (Australian Financial Services Licence - AFSL), a menos que haja alguma isenção aplicável. A JPMS é isenta da exigência de possuir uma AFSL pela lei Corporations Act 2001 (Cth) (Act) para os serviços financeiros que presta a você e é regulada pela SEC, FINRA e CFTC, sob a legislação dos EUA, que difere da legislação australiana. O material fornecido pela JPMS na Austrália é destinado apenas a "clientes institucionais". A informação fornecida neste material não pretende ser, e não deve ser, distribuída ou passada adiante, direta ou indiretamente, a qualquer outra classe de pessoas na Austrália. Para os fins deste parágrafo, o termo "cliente institucional" tem o significado dado na seção 761G da Lei. Por favor, informe-nos imediatamente caso não seja um "cliente institucional" atualmente ou caso deixe de sê-lo em algum momento no futuro.

Este material não foi criado especificamente para investidores australianos. Este material:

  • Pode conter referências a valores em dólar que não sejam dólares australianos;
  • Pode conter informações financeiras que não tenham sido elaboradas em conformidade com as práticas ou leis australianas;
  • Pode não endereçar os riscos associados a se investir em investimentos em moeda estrangeira; e
  • Não aborda questões tributárias da Austrália.

Referências a “J.P. Morgan” são ao JPM e subsidiárias e coligadas no mundo todo. “J.P. Morgan Private Bank” é o nome da marca dos negócios de private banking conduzidos pelo JPM.

Este material é para o seu uso pessoal e não deve ser circulado ou utilizado por alguma outra pessoa, ou copiado para uso não pessoal, sem a nossa permissão. Em caso de dúvidas ou se não desejar mais receber estes comunicados, entre em contato com a sua equipe do J.P. Morgan.

© 2024 JPMorgan Chase & Co. Todos os direitos reservados.

SAIBA MAIS SOBRE NOSSA EMPRESA E NOSSOS PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTO NA FINRA BROKERCHECK.

Para saber mais sobre o negócio de investimentos do J.P. Morgan, incluindo nossas contas, produtos e serviços, bem como nosso relacionamento com você, consulte nosso Formulário CRS de J.P. Morgan Securities LLC e o Guia de Serviços de Investimento e Produtos de Corretagem.
 

JPMorgan Chase Bank, N.A.e suas afiliadas (coletivamente, "JPMCB") oferecem produtos de investimento que podem incluir contas administradas pelo banco e custódia como parte dos seus serviços fiduciários e de trust. Outros produtos e serviços de investimento, como contas de assessoria e corretagem são oferecidos através da J.P. Morgan Securities LLC("JPMS"), membro da FINRAe da SIPC. Produtos de seguros estão disponíveis por meio da Chase Insurance Agency, Inc. (CIA), uma agência de seguros licenciada, operando como Chase Insurance Agency Services, Inc., na Flórida. JPMCB e JPMS são empresas afiliadas sob controle da JPMorgan Chase & Co. Os produtos não estão disponíveis em todos os estados. Favor ler a Disposições Legais relacionada a estas páginas.

PRODUTOS DE INVESTIMENTO: • NÃO GARANTIDOS PELA FDIC • NÃO É DEPÓSITO NEM OUTRA OBRIGAÇÃO OU GARANTIA DA JPMORGAN CHASE BANK, N.A. OU QUALQUER DE SUAS AFILIADAS • INVESTIMENTO SUJEITO A RISCOS, INCLUSIVE A POSSÍVEL PERDA DO VALOR PRINCIPAL INVESTIDO

Equal Housing Lender Icon Produtos de depósito bancário, como contas correntes, contas de poupança, empréstimos bancários e serviços relacionados são oferecidos pelo JPMorgan Chase Bank, N.A. Membro da FDIC. Isto não é um compromisso de empréstimo. Todas as extensões de crédito estão sujeitas à aprovação do crédito.